Alfabeto Fonético Internacional permite pronunciar palavras em qualquer idioma.

Alfabeto Fonético Internacional

Muitas pessoas nem devem ter reparado, mas outras já devem ter se perguntado o que significam aquelas letras e símbolos dentro de colchetes que aparecem logo após a grafia de uma palavra em dicionários de língua estrangeira, antes do seu significado na língua portuguesa. Pois bem, para quem não sabe o que significa esse conjunto de letras e símbolos que mais parece um código, saiba que ele integra o sistema chamado alfabeto fonético internacional.

Criação do alfabeto fonético

O alfabeto fonético existe há muitos anos, sendo que passou por inúmeras mudanças até chegar ao seu padrão atual. No entanto, ele sempre teve o mesmo objetivo, ou seja, facilitar a pronúncia de outras línguas, sem a necessidade de conhecer o idioma profundamente. Esse alfabeto foi criado em 1886, quando um grupo de professores ingleses e franceses, tendo como líder o linguista francês Paul Passy, iniciou o que depois veio a se chamar de Associação Fonética Internacional - AFI.

Foram esses profissionais da AFI os responsáveis pela criação e, posterior, aperfeiçoamento do alfabeto fonético internacional. Depois de dois anos de início do movimento, o grupo já havia padronizado o alfabeto fonético para todas as línguas, o que não acontecia anteriormente, e apenas dificultava o objetivo de pronunciar os demais idiomas. Até 2005, quando ocorreu a última utilização, muitas alterações foram feitas, inclusive, no que diz respeito a eliminar e adicionar novos símbolos.

Funcionamento do alfabeto fonético

Atualmente, grande parte das letras é derivada do alfabeto romano ou de uma língua originária dele. No entanto, existem outras letras que também proveem do alfabeto grego e há, ainda, aquelas que não integram nenhum alfabeto. No total, são 107 caracteres que formam o alfabeto fonético internacional. Porém, nos dicionários de língua estrangeira, é comum encontrar apenas pouco mais de 40 tipos de letras e símbolo, tornando mais fácil a aprendizagem deste alfabeto.

Já que muitas letras são conhecidas dos brasileiros, pois integram o alfabeto da língua portuguesa, os interessados em aprender a usar o alfabeto fonético terão que aprender apenas a pronunciar os demais símbolos. Além das letras, o alfabeto fonético possui símbolos que se referem à maneira de pronunciar as palavras, como a entonação que deve ser dada. Desta forma, é possível que uma pessoa se torne autodidata em conhecer outro idioma, ao menos, em relação à pronúncia correta das palavras.

Utilização do alfabeto fonético internacional

O alfabeto fonético internacional é bastante utilizado pelos profissionais da área da linguística, fonoaudiologia, tradução e professores de idioma. Mas também pode ser de extrema importância para alunos de línguas estrangeiras, cantores e atores. Ou seja, qualquer profissional que trabalha com a pronúncia e que a todo o momento está envolvido com diferentes materiais escritos pode se valer do alfabeto fonético.

Um bom exemplo da necessidade do alfabeto fonético internacional é no caso de um pesquisador conhecer uma tribo amazônica ou de qualquer outro lugar onde eles falem um idioma desconhecido para os demais. Tendo conhecimento deste alfabeto, o pesquisador pode transcrever o que os integrantes desta tribo conversam, podendo até traduzir, além de servir como um material de grande valor para as pesquisas antropológicas.

Outros alfabetos fonéticos

Hoje em dia, é também comum encontrar na Internet informações errôneas sobre a definição de alfabeto fonético, uma vez que eles são confundidos com os alfabetos radiotelefônicos ou de soletração. Isso acontece em parte porque o alfabeto de soletração mais usado é o chamado alfabeto fonético da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte), sendo que existem outros que são utilizados para facilitar as comunicações realizadas por meio de rádio ou telefone. Neste caso, são utilizadas palavras ao invés de letras para soletrar uma informação.

Os alfabetos radiotelefônicos foram desenvolvidos ainda antes da Segunda Guerra Mundial, quando foram aperfeiçoados para facilitar a comunicação entre exército, marinha e aeronáutica, bem como a transmissão de informações entre os aliados. Depois de algumas padronizações, ele foi uniformizado, sendo utilizado até hoje pelas forças armadas.

Assim como o alfabeto fonético internacional, qualquer pessoa pode fazer uso dos alfabetos de soletração, desde que conheça a palavra que se refere a cada letra do alfabeto. Essa lista é facilmente encontrada na Internet e apesar de existir mais de uma, assemelham-se bastante. Com os números do alfabeto militar acontece a mesma coisa, no entanto, eles são pronunciados na língua inglesa e alguns deles recebem uma variação para que não sejam confundidos com outros números.

Alfabeto Fonético